As decisões que tomamos em diversos momentos da vida, e principalmente quando falamos sobre finanças, são frutos da interação entre o emocional e o racional. Por este motivo, entender como o processo de decisão acontece pode ser o primeiro passo em direção a boas escolhas.

E, para entendê-lo, antes de adquirir um produto ou serviço, passe pelos seguintes passos:

1. Perceba a necessidade: eu quero ou eu preciso?

Antes de decidir realizar uma compra, é essencial se questionar se aquilo responde a uma vontade ou a uma necessidade. As necessidades estão ligadas à moradia, alimentação, saúde e contas básicas. As vontades estão relacionadas à troca de carro,

roupas novas, ou um celular mais moderno. As necessidades devem estar em primeiro lugar. E, não vale a máxima do “mas eu mereço”, ok? Aqui a análise é racional.

2. Avalie o quanto esta decisão te deixa mais próximo do meu projeto de vida

Antes de gastar com algo que você apenas queira, o ideal é avaliar como isso se encaixa na sua lista de prioridades e de que forma impactará o orçamento. Avalie, por exemplo, se a compra te deixará mais próximo de realizar o seu projeto de vida ou se a decisão fará com que o seu sonho tenha que ter que ser postergado. Avalie também se por conta da decisão de gastar imediatamente você precisará se endividar.

3. Observe se não está caindo em uma armadilha

Influenciados por diversos estímulos e pelo senso de urgência, somos levados a consumir sem refletir sobre o impacto do gasto em nosso bolso. Por exemplo: comprar o produto porque ele está com uma “oferta imperdível”, sem fazer as contas. No exemplo abaixo, a promoção é 18x R$ 18,00 = R$ 324,00 ou R$ 162,00 à vista. Se você guardar os mesmos R$ 18,00 por mês após 9 meses poderá comprar o item e ainda economizará R$ 162,00. Ou seja, você estará comprando 1 pelo preço de 2.

Ou ainda, outro exemplo muito comum, comprar um produto porque ele está com a promoção “Pague 1, leve 2” ou um combo no qual você ganha mais um item por apenas R$ 1,00 a mais. Comprar algo que você não precisa mesmo em promoção, não é economia é gasto.

4. Tenha certeza que não está refém de um gatilho mental

Algumas pessoas compram para se sentir mais felizes, outras por necessidade. Há ainda as que o fazem para evitar a culpa ou mesmo para levantar a autoestima. As razões são inúmeras! Então saber o que te leva a comprar por impulso é o primeiro passo para fugir desta armadilha.

Nota: para conhecer o seu gatilho reflita sobre a última vez que você adquiriu algo que não precisava. O que te levou a gastar? O que você estava sentindo? Qual foi o motivo principal? Depois de ter estas respostas pense em quantas vezes isto se repetiu e trace uma estratégia para a próxima vez que tiver o mesmo sentimento e vontade.

Quando tiver claro a razão da compra, se joga ou corre! Nem sempre a decisão racional superará a decisão emocional, mas quanto mais vezes você conseguir racionalizar, mais vezes conseguirá evitar gastos desnecessários. Então, bora ter estas regrinhas coladas em um lugar de fácil acesso até decorar?

E, não se esqueça que a decisão de consumo deve estar galgado em metas e planejamentos pré-estabelecidos, ok? .